Como romper a barreira dos julgamentos.

Em new_york_bldg-_height_comparison-svgpraticamente todas as situações da nossa vida nós estamos julgando algo. Seja para comprar uma fruta ou verdura na feira, onde as apalpamos e cheiramos para saber se são boas antes de compra-las, seja para fazer uma compra de um carro ou uma casa, onde fazemos listas de prós e contras para nos ajudar a tomar a melhor decisão, da qual não vamos nos arrepender nos anos vindouros.

 

O sistema judicial, para ser eficaz, também depende de um julgamento justo e ponderado dos casos levados à justiça.

Já quando falamos de relacionamentos interpessoais temos que colocar de lado o julgamento. Mas por que?

maxresdefault

Neste caso específico, de acordo com a Kabbalah, quando julgamos os outros, estamos “construindo” uma barreira entre nós e a pessoa que estamos julgando, uma barreira que nos impede de conectar, compartilhar e mostrar compaixão para com os outros. E sabemos que devemos olhar além dos traços físicos, diferenças culturais, e das qualidades que compõem o caráter de uma pessoa, a fim de compreender o indivíduo abaixo da superfície, afinal, somos todos irmãos, todos energias e estamos todos conectados. No entanto, nós ainda julgamos todos os dias. Seja bom ou ruim, nós silenciosamente avaliamos e medimos a bondade dos outros com base em aspectos superficiais das pessoas.

Falo este texto hoje por experiência própria. Eu mesmo tenho barreiras enormes que me fazem ainda jugar os seres humanos, pois assim como você, também estou em um processo de evolução e buscando o melhor para a minha vida.

brazilian_supreme_federal_tribunalVejo que em muitas vezes, a raiz do juízo reside no EGO. Sentir inveja de alguém, sentir-se superior ao outro, ou simplesmente tornar-se irritado com as ações de alguém são armadilhas emocionais que levam ao julgamento. Começamos a criticá-los, a fim de nos sentirmos melhor a respeito de nós mesmos. No final, esse tipo de julgamento pode prejudicar mais o nosso próprio bem-estar do que a qualquer outra pessoa.

Olhe ao seu redor e esteja consciente das armadilhas que podem te levar ao julgamento. Você pode alterar o seu comportamento e criar uma grande mudança em sua vida. É importante ter em mente que o julgamento é geralmente uma muleta em que nos apoiamos quando estamos nos sentindo inadequados. Este é um compromisso que irei fazer com você. Vamos juntos vigiar nossas ações e deixar de julgar os outros a cada instante.

Pensamentos negativos surgem quando nos comparamos a alguém e duvidamos da nossa autoestima. Os talentos, as características, ou as bênçãos de outra pessoa podem fazer-nos sentir que estamos com falta em determinadas áreas de nossas vidas. Nós procuramos as falhas dela, a fim de nos sentirmos melhor em relação às nossas, o que acaba prejudicando a nossa autoestima também.

Além disso, julgar as falhas dos outros pode fazer você se sentir temporariamente melhor em relação a si mesmo, mas alimenta o EGO e dificulta o seu crescimento espiritual.

Repare como a vida é. Em todos os momentos, a LUZ irá te dar a oportunidade de se conectar com o seu propósito de ser capaz de olhar para a pessoa e oferecer o AMOR ao invés do julgamento. Sei que é muito difícil, mas se pelo menos uma vez você conseguir ao meio de tantos julgamentos oferecer AMOR uma única vez e respeitar a dignidade humana dos outros, então você pode superar as barreiras entre as pessoas e se conectar com o AMOR, que é o mais elevado nível de conexão com a LUZ que podemos alcançar. Lembre-se que eu estarei com você nesta empreitada.

Existe também o julgamento que surge quando você não gosta do comportamento das outras pessoas. Estes, mirror-effectna maioria das vezes, é um comportamento paralelo ao nosso. Uma atitude que julgamos nos outros, com certeza é a mesma atitude e comportamento que ainda não reconhecemos em nós mesmos. Como se estivéssemos nos olhando perante um espelho à nossa frente.

Quando você começa a julgar os outros por aquilo que disse ou fez, dê um olhar honesto em si mesmo e se pergunte como você poderia ter tido um comportamento semelhante no passado. Observe quais características vocês compartilham. Temos mais em comum com aqueles que julgamos do que pensamos.

Repare quantas vezes você não deu ouvido à uma pessoa, pois o que ela estava dizendo você já sabia o que era. Que é impossível você ajuda-la pois já está atuando como juiz e júri. Por isso é tão importante que você faça um esforço para sair de si, das suas opiniões e dos véus que te cobrem da LUZ. Só assim você poderá compreender o outro e oferecer a sua ajuda.

Agora vamos ao nosso comprometimento. Toda vez que você começar a sentir que o seu ego está encobrindo a sua visão dos outros, mude sua atenção para o positivo. Veja os pontos fortes ou habilidades nos outros como um reflexo da beleza no mundo. Quando você se concentrar no bom, você tende a ver apenas o bom. Ao criar o hábito de reconhecer a LUZ em todas as coisas, você vai estar mais equipado para parar o EGO antes que ele se transforme em julgamento.judge-gavel-1461287350l5z

O julgamento nos divide, nos afasta um do outro, consequentemente nos afasta do nosso propósito: sempre conectar com os outros e mostrar compaixão – receber para compartilhar e sermos Co-Criadores da nossa vida. Cada indivíduo deve trilhar seu próprio caminho na vida, o que naturalmente vem com sucessos singulares e fracassos. Nosso objetivo deve ser sempre agir com compaixão, ouvir, apoiar e compartilhar – coisas que não podemos realizar quando somos tomados por sentimentos de julgamento.

Esteja consciente de onde seus pensamentos estão vindo (LUZ ou EGO) ao interagir com os outros e você
nunca vai perder uma oportunidade de aprender e compartilhar com os outros.

Vamos juntos agora realizar este ato de vigiar nossos julgamentos e, fazer pequenas ações de compartilhar e valorizar as coisas boas dos outros, ao invés de julgar suas atitudes negativas. Este é um compromisso que estou fazendo com você e que a partir de agora já comecei a praticar.

Uma excelente leitura a todos!

Um farte abraço de LUZ.

Bruno Amiky Wurker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *